Sejam bem vindos

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Conversa de Vitrine - Ato IV

 Amigos de Fibra



Sentindo uma leve dor no braço esquerdo causada pelo aperto das mãos plásticas de Denise me agacho assustada ao lado dela. Tento relaxar e arrisco uma pergunta:

- Por que chorava escondida atrás da lixeira?

- Não se preocupe com isso agora, não é uma boa hora.
- Tudo bem, desculpe ser  tão invasiva, mas tem ideia do que possa estar acontecendo agora? 

- Deve ser o Andy pregando uma peça em nós. Ele é muito exibido, se achando o certinho, mas adora amendrontrar as garotas. Se acha mais inteligente que nós, fica tranquila.
- Você não me parece bem, está me apertando. –
Denise solta meu braço desculpando –se.  

-Meninas! – A voz grossa e robótica de Andy ecoa pelo corredor em que estamos : - Estou aqui meninas, não se apavorem, descobrirei o que está acontecendo.

-Ahh, falou o super protetor detetive! – Debocha Denise.
-Xiiuuu. - Querem ser pegos? – Calem a boca, respondo em tom ríspido, e os dois se calam.

 Ouço gargalhadas vindo de longe. ..
Tentando avistar alguma coisa me levanto sorrateira, e por um segundo penso:  - Deve ser meus pais com a polícia me procurando...  Cruzes, acho que estou enlouquecendo!

- Alí! – Estou vendo! – Gritava a voz de um garoto!
Será um maluco como eu, ou mais um manequim aventureiro da madrugada?  
 Entro em desespero e derrubo dois livros da prateleira. – Acho que alguém me viu aqui. – Sussuro para Denise.
Reviro os olhos e meio aflita penso que logo irão descobrir que sou humana. - Preciso sair daqui!

De repente, as luzes se acendem.

- Ed? – Não acredito que tentou nos assustar. - Replica Andy com sua voz robótica e grave .

- Ahh, e fazia o que agachado atrás da prateleira de romance, achei que só se interessava por lirvros  de Nerds. – Diz  Ed, sorrindo.

- Protegendo as garotas da sua zombaria, oras, diz Andy agora em pé alinhando seu terno diz num tom de cinismo:
- Confessa que ficou com medinho, seu skatista frustrado.

 Ed é um manequim de cabelos e olhos castanho claros, pequenas sardas enfeitam o rosto delicado de nariz  fino e suas bochechas rosadas denuciam covinhas enquanto sorri.
Ed vem  derrapando suave e artsticamente em cima do skate em minha direção, e sempre sorrindo diz:

- Temos amiga nova! - Ed vira a aba do seu boné para trás e continua:
 – E aê, qual  o nome desta gata? -Sou Ed como deve ter percebido, mas...  É de qual vitrine?

 Será possível que este é o único interesse desses plásticos ambulantes?- Penso comigo.
- Sou Antonella.  - Digo sorridente estendendo minha mão, que ele beija, deixando-me corada.

Andy interfere: - Chega dessa baboseira, temos que continuar oTour do Shopping com ela.

 Ed não desvia seus olhos dos meus.
- Tour? -Vou junto!

Ele usava um boné amarelo com letras pretas que diziam “Rolê”, uma camiseta preta com um raio amarelo, uma calça preta com bolsos largos e um tênis cano alto vermelho.
 –  Quer uma carona no meu Skate?- Faço o Tour com vc! -  Diz sorrindo e subindo no seu skate. – Senti novamente meu rosto corar e com olhos no skate respondo:

- Acho melhor não, nunca andei nisso, tenho medo!
 Por um segundo me sinto patética por achar um manequim sedutor, e que em poucas horas voltaria para sua vitrine sem vida.

-Ei galera! – Grita do lado de fora da loja outra manequim skatista de boné. Dessa vez é uma garota que derrapa seu skate para dentro da livraria. Era loura  e ostentava um rabo de cavalo, emoldurando seu rosto perfeito num sorriso azul claro. Seu nariz arrebitado lhe dava um ar de boneca viva . Usava um boné lilás, que destacava com seu shorts jeans bordado em spike, blusa roxa e tênis preto parecido com o de Ed.
Era tão linda que se parecia mais com uma manequim de loja de princesas do que de skate.

 - Qual foi galera? – E nosso sorvete?- Diz a princesa skatista.
- Sorvete?! – Eu adoro! – Vamos Antonella? - Grita Denise logo atrás de mim.
- Vamos, adoro de Pistache! – Respondo sorrindo e olhando para Andy, mas sou recebida com um olhar frio e sem vida. – Andy desvia seu olhar de mim e sai da Livraria elegantemente sem dizer nada.

- Espero vocês na “Neve colorida”!  – Diz Ed montando em seu skate  que antes de atravessar a porta, vira a cabeça para trás, sorrindo e soprando  um beijo  que me deixou desconcertada.
- Ele gostou mesmo de você. – Diz Denise sorrindo  me arrastando para fora com os demais.
- Não fale bobagem, isso tudo é uma mentira.-  Encarando a boneca continuo:
- Preciso te contar uma coisa!
Denise me olha plastificada, para  na porta da livraria e diz com sua voz rouca e serena: - Assim você me assusta!

- Desculpa. -Digo baixinho. – Mas você precisa saber que eu ....

- Vão ficar ai paradas até amanhecer?
 Fomos interrompidas por um casal de rockeiros, ele com tatuagens nos braços , piercing na sobrancelha e queixo.Uma bandana vermelha de mini caveiras brancas que cobria seu cabelo raspado, e ela  mostrava cabelo arrepiado platinado e rosa,e um largo piercing no nariz e lábios.

- Sam e Gina, faz tempo que não vejo vocês,achei que tivessem sido transferidos de shopping. – Diz Denise seria.

- Não Deni, continuamos por aqui, só não estávamos saindo a noite da loja, estávamos ocupados compondo. Temos música nova, quer ouvir? – Sam pergunta entusiasmado.
- Mais tarde Sam.- Desculpa, é que estamos indo tomar sorvete. – Vamos juntos?

- Eu disse que ninguém se interessa por nossa música. – Diz a garota de cabelo sidecut platinado com pontas rosa em tom de antipatia.

Denise revira os olhos e pergunta: - Tudo bem Gina? 
Deixando Denise no vácuo, Gina se vira para Sam e diz:
 - Vou ao Toalet, nos encontramos na praça de alimentação.

- Credo! – Diz Denise enojada.
-Ainda bem que já conhece a figura. –  Sam sorri encabulado.

Sam é mulato,  tem olhos castanho escuro e cabelo raspado. Seu nariz é largo e os lábios grossos. Veste calça e jaqueta de couro pretas e uma camiseta branca estampada com uma caveira negra. Detalhe da jaqueta  com spike no ombro e uma corrente larga e prateada. Exibe uma bandana vermelha e um coturno preto de dar medo.

Com olhar curioso Sam vira- se para mim e educadamente pergunta:
- Posso saber o nome da baixinha?
Respondo estendendo minha mão com o rosto corado:
 - Sou Antonella.

Ele aperta com força minha mão, mas solta de imediato quando sua guitarra que descansava em baixo do seu outro braço  é jogada no chão. Eu e Denise nos assustamos dando um pulo para trás.

- Seu pestinha! – Grita Sam, correndo atrás de uma criança.
- O que foi isso? –Pergunto a Denise.
- O que? – sobre a Gina antipática e mal amada, ou Lucca serelepe?- Pergunta Denise emitindo um sorriso engraçado.

-Sobre tudo. -  O casal Punk e o fedelhinho.

- Bem... Sam e Gina são da Loja “Dark Star”, e não são um casal como pensa, são irmãos. Sam é um fofo, inteligente, músico e compositor. Gina, não  é nada, apenas a irmã de um Super Star,depressiva e mal humorada, e ele é o único que tem paciência com ela.

E Lucca é da loja  infantil “Fofolândia”. Ele é lindo, porém difícil suportar a Hiperatividade dele.

- Melhor tomarmos logo nosso sorvete,  quando o shopping fecha a máquina da nossa delícia gelada é desligada para economia de energia, se demorarmos  muito teremos que beber o sorvete. – Dou um sorriso sincero a Denise e caminho ao lado dela em direção a  "NuvemColorida” na praça de alimentação.

Não demora muito escuto uma voz reclamando atrás de nós:
- Se encontro com aquele safado, eu troco literalmente seus pés pelas mãos!

Denise e eu nos viramos, e para mais uma surpresa vejo uma jovem  gestante!

-Kris, que bom te ver! Exclama Denise.

- Oi menina. –Responde a “tal” Kris gemendo e alisando sua barriga.

- Você está bem?- Soube que estava de repouso no depósito. – Pergunta Denise, preocupada.

- Foi apenas um descanso de poucas horas com as pernas para o alto, passei mal quando as luzes da minha vitrine foram trocadas, são quente demais.

- E o bebê está bem?
- Sim, um pouco de dor as vezes, o médico do ambulatório disse que é normal algumas dores quando a pele de fibra esta sendo formada e ganhando vida. Isso acontece a noite quando saio da vitrine, mas ele está muito bem, melhor que eu.

- Fico feliz que o bebê esteja bem.- Responde Denise sorrindo como sempre.

- Mas eu ainda mato ele.-

 Eu e Denise nos entreolhamos espantadas, e ela pergunta:

- Você quer matar seu bebê?
- Não, claro que não! Mas o pai dele sim. – Aquele safado, me iludiu e quando soube que eu estava grávida, se escondeu no depósito de troca e nunca mais apareceu. Com certeza está em outro Shopping iludindo outra. Mas desejo do fundo da minha fibra  é que tenha sido desmontado e jogado pra sucata.

Denise olha pra mim engolindo uma risada, bem como eu e diz: -

Estamos indo na “Neve Colorida”, vem com a gente?

- Sim, já estava indo pra lá, mas primeiro irei ao toalete. – E que mal pergunte, a “Rosa Chock” aí é nova aqui?

- Ah sim. Desculpe Kris, não apresentei. – Essa é...

Interrompo Denise sorrindo: - Deixa comigo Denise: – Antonella meu nome, muito prazer.  Estico minha mão para cumprimenta- la.

Ela me cumprimenta e me responde tentando sorrir em meio a cara de dor: - O prazer é meu. Pode me chamar de Kris só não me pergunte o restante.

Faço que sim com a cabeça e continuamos nossa ida ao sorvete. Confesso que fiquei curiosa para saber o restante do nome, mas em outra ocasião descubro com Denise.
Quando já consigo avistar a praça e uma pequena aglomeração escuto:

PULA! PULA! PULA!

- Olho para Denise espantada e curiosa :

-O que foi isso agora?





 *quem estaria pulando?
Seria uma cama elástica ou alguém tentando se suicidar?

Aguardem o Ato V
  



Nenhum comentário:

Postar um comentário